Página Inicial >> Notícias >> Mais de 1,2 mil doses vencidas da AstraZeneca teriam sido aplicadas em Pernambuco; confira os lotes

Mais de 1,2 mil doses vencidas da AstraZeneca teriam sido aplicadas em Pernambuco; confira os lotes

Das mais de 25 mil doses da vacina da AstraZeneca/Oxford que teriam sido aplicadas com prazo de validade vencido em todo o País, 1.268 eram de Pernambuco. Segundo levantamento publicado nesta sexta-feira (2) pelo jornal Folha de S. Paulo, com base em dados do Ministério da Saúde, 149 pontos de vacinação localizados em 96 cidades pernambucanas estavam com lotes expirados do imunizante.

Desses municípios, Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife, é o que aparece com a maior quantidade de doses vencidas – 279 – todas elas enviadas ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) Santo Cristo, no Centro da cidade. Em seguida, vêm Garanhuns, no Agreste, com 110 doses, e Gameleira, na Mata Sul, com 90.

De acordo com a publicação, os lotes que teriam vencido apresentam as seguintes numerações e datas de vencimento:

4120Z001 – 29/03

4120Z004 – 13/04

4120Z005 – 14/04

CTMAV501 – 30/04

CTMAV505 – 31/05

CTMAV506 – 31/05

CTMAV520 – 31/05

4120Z025 – 04/06

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informou já ter entrado em contato com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-PE) para acionar os municípios que aparecem na lista para que os gestores avaliem os casos e verifiquem se a informação procede ou foi um erro de digitação.

Ainda de acordo com a pasta, esse possível erro vacinal, de 1.268 doses, representaria 0,02% do total de imunizantes já aplicado.

A secretaria disse ainda que, caso alguém tenha tomado uma dose vencida, a orientação do Ministério da Saúde é que a prefeitura registre o caso no e-SUS Notifica e acompanhe o morador. A administração dessa dose será invalidada e, portanto, o cidadão deve se imunizar novamente com um intervalo de 28 dias após a aplicação anterior.

Leia a nota da SES na íntegra:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informa que já entrou em contato com o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-PE) para acionar os municípios que tiveram registro no sistema de aplicação de doses vencidas para que o gestor municipal, responsável pela aplicação das doses na população, avalie os casos, para verificar se a informação procede ou se foi erro de digitação, e faça a busca ativa das pessoas que efetivamente foram imunizadas com doses fora da validade. Destaca-se que, até o momento, Pernambuco aplicou mais de 4,2 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. O possível erro vacinal (1.268 doses), que precisa ser prontamente investigado para saber se existiu ou não, representaria 0,02% do total de doses aplicadas.

Em caso de administração de vacina vencida, a orientação do Ministério da Saúde (MS) é fazer a notificação do caso no e-SUS Notifica e acompanhar o munícipe. Essa dose não deverá ser considerada válida, sendo recomendada a revacinação do indivíduo com um intervalo de 28 dias após dose anteriormente administrada.

Frisa-se que, em cada entrega de vacina, são repassadas as notas fiscais onde constam as informações sobre o lote e data de vencimento. O Programa Estadual de Imunização (PNI-PE) reforça constantemente com as cidades a importância de manter o monitoramento dos estoques, para evitar situações como essa, além de manter diálogo e reuniões periódicas para reforçar as ações de segurança e qualificação para o processo de imunização.
É preciso destacar, ainda, que o Estado de Pernambuco montou uma operação logística para que as vacinas contra a Covid-19 pudessem chegar rapidamente aos municípios, já que a imunização fica a cargo dos gestores municipais. Desde o início da campanha, em 18 de janeiro, o Estado tem entregue as vacinas em até 24 horas após a chegada no Programa Estadual de Imunização.

Por fim, a SES-PE ratifica a importância dos gestores municipais ficarem atentos às orientações e aos documentos técnicos relacionados à campanha e que está à disposição das cidades para prestar o devido assessoramento técnico.

Da FolhaPE

Compartilhar nas redes