Página Inicial >> ASSESSORIA DE IMPRENSA >> ECONOMIA >> Dia das Crianças deve aquecer vendas no varejo

Dia das Crianças deve aquecer vendas no varejo

A uma semana do Dia das Crianças, o comércio brasileiro está na expectativa de que a data, uma das mais importantes do calendário do varejo neste segundo semestre do ano, traga a retomada de consumo que o setor tanto precisa. Para confirmar a estimativa otimista, pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), feita em todas as capitais, aponta que 73% dos consumidores devem ir às compras em busca do presente perfeito para os pequenos. De acordo com o recorte, a data deve movimentar cerca de R$10,3 bilhões no varejo, com ticket médio de R$199.

Na análise do economista da Fecomércio – PE, Rafael Ramos, tendo como base as contratações de agosto, que mostraram uma elevação significante no último Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), o Dia das Crianças deve ser de vendas positivas no Estado. “As contratações devem aumentar nos resultados de setembro, o que aumenta confiança e poder de compra de parte da população. Além disso, tem a questão de parte da população já está recebendo as liberações do FGTS e aqueles que não receberam, já sabem o calendário de recebimento podendo ajustar o consumo mais acentuado para a proximidade do pagamento”, revela o economista.

No comércio recifense, o cenário de otimismo já toma conta das principais lojas do segmento. Porém, segundo a maioria dos lojistas, o movimento mais expressivo deve ocorrer no meio desta semana. “Na quarta vai ter mais um pagamento do Saque Imediato do FGTS e isso na semana do Dia das Crianças vai dá o empurrão necessário para que os clientes venham comprar o presente da criançada”, acredita a gerente da loja do segmento infantil, Elizabeth Lima.

Mesmo com dinheiro no bolso, ao que tudo indica, os anos de crise fizeram com que os brasileiros aprendessem a pesquisar antes de comprar. De acordo com o levantamento da CNDL/SPC, quase oito de cada dez consumidores pretendem pesquisar preços antes de comprar. Foi o que fez a balconista, atualmente desempregada, Mayara Andrele.

Mãe do pequeno Miguel, de 1 anos e 9 meses, ela é do tipo de consumidor que sabe que com o dinheiro curto, visto que só seu marido, o pintor Márcio Gomes, trabalha, pesquisar nunca é demais. Já faz uma semana em que ela procura pelo menor preço da moto sonhada para presentear seu filho, cujo valor beira os R$500. “Vou pagar no cartão, no maior número de vezes que puder passar, mas para o meu único filho, não medimos esforços. Fazemos o possível e impossível para não deixar a data passar em branco”.

Data é termômetro para fim de ano

O bom desempenho das vendas do varejo brasileiro servirá como termômetro para estimar os resultados do comércio com foco no fim de ano. “Os dados de intenção de compra servem de termômetro para o fim de ano, ao trazer as primeiras impressões do que deve acontecer no Natal, principalmente em um momento em que muitos brasileiros estão sentindo os efeitos de um mercado de trabalho retraído e de uma economia que tem demorado a engrenar”, analisa o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

A liberação do FGTS associado ao pagamento da primeira parcela do 13° salário, dia 20 do próximo mês, segundo Rafael Ramos, deverá ser o suficiente para impactar a economia. “Acredito que esses próximos até o fim de ano serão meses bons em relação ao volume de consumo”, revela o economista da Fecomércio-PE, que espera que essa expectativa se confirme. “Uma vez confirmada, 2020 será de manutenção do aquecimento econômico e efetivação de boa parte dos contratados temporários”, acredita.

Segundo estimativas da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem), Pernambuco pode gerar 10.325 vagas temporárias até dezembro.

Compartilhar nas redes